Entrevista de Danny Marks para o Almanaque Literário, com Nell Morato

March 28, 2018

ENTREVISTA: Danny Marks

 

Sua Biografia:

Danny Marks é o nome artístico de Daniel Teijeira Claro. Nascido em Santos, atualmente morador de Praia Grande. Formado em Administração e Letras, pós-graduado em Alfabetização e Letramento. Metalúrgico aposentado dedica-se atualmente a profissão de escritor, palestrante e professor de Técnicas de Redação e Escrita Criativa.

Sua carreira literária oficialmente inicia-se com a participação na antologia Anno Domini da editora Andross, onde posteriormente organizou a antologia Dias Contados.

Foi editor da editora Multifoco, onde lançou a coletânea Universo Subterrâneo. Publicou independente pela Amazon os livros Amor, sexo e outras tragédias (contos) e Sob o Signo de Tanatos. Pela editora Dragonfly, publicou O Escultor de Ossos (policial) e Deus Vapor (steampunk). Tem participações em diversas outras antologias de editoras diversas, algumas em vias de produção.

 

Suas Obras:

 

 

Escultor de Ossos trabalha com o nascimento de um assassino serial na cidade de São Paulo. Na história, uma repórter fotográfica acaba cruzando inadvertidamente o caminho de um homem que rouba ossos dos cemitérios, para esculpi-los e apresentá-los como obras de arte e acaba tendo um envolvimento amoroso. Lançado em eBook e como parte da coleção Criminal da Editora Dragonfly.
 

 

Deus Vapor é uma história steampunk voltada para o público jovem adulto. Trata sobre a vida de um rapaz que busca compreender os segredos da natureza e da misteriosa tecnologia do Vapor. Entre o romance com uma jovem da cidade, as questões éticas e politicas do choque cultural de novas tecnologias em comunidades rurais, há a descoberta de si mesmo, do amor, da ciência e da aventura de viver em um universo cheio de surpresas e riscos, onde não há espaços para erros e nenhuma certeza dos resultados. 

 

 

O Jogo é um romance mítico, trabalha com a questão do Livre Arbítrio usando uma linguagem arquetípica em forma de romance. Um trabalho complexo de arte literária que não tem a mínima pretensão de ser comercial. A grande vantagem é que a história é mutante, ela se ajusta ao momento do leitor e induz a reflexões e apropriações que mudam completamente a história para quem a lê. Tem recebido ótimas críticas dos leitores.

 

 


Segundo O Jogo é uma nova história envolvendo os eventos posteriores ao que ocorre no primeiro livro, mas é totalmente independente. Trabalha também com arquétipos, mas desta vez supre uma visão que não foi abordada pelo primeiro livro, a perspectiva do Feminino. Nesta nova trama as relações interpessoais e a busca pela compreensão do sentido da vida se inicia com uma ausência presente. Também é um romance mítico e de difícil leitura, mas que tem encantado aos que se aventuram nessa possibilidade de mergulhar no Si Mesmo e descobrir-se.

 

 

 

Amor, Sexo e Outras Tragédias é um uma coletânea de contos que trabalham a questão da sexualidade sob várias perspectivas, incluindo as que podem ser consideradas trágicas e cômicas.

 

 

 

Sob o Signo de Tanatos é uma autobiografia romanceada com os primeiros passos de um aprendiz de bruxo. Traz verdades, muitas mentiras e ensinamentos mascarados em uma linguagem literária que tem a pretensão de ser isenta de tudo, ou quase.

 

Como surgiu o escritor Danny Marks?

É chavão dizer isso, mas no meu caso é verdade. Escrevo desde a infância, meu primeiro personagem era um anti-herói, uma criatura desenvolvida por monstros para salvá-los...dos humanos rsrs. Desde antes de ser alfabetizado via HQs que não conseguia ler e inventava histórias para as figuras. Quando comecei a ler de fato, devorava todo tipo de livros e cheguei a assustar a bibliotecária pública ao pegar livros que “não eram adequados à minha idade” como Jorge Amado, Gabriel Garcia Marques e outros, mas ela percebeu que entendia as histórias e passou a trocar comigo argumentações e recomendações de livros.

Mas foi Isaac Asimov quem me “incentivou” a me tornar escritor, porque li em vários livros dele sua trajetória como autor ainda na infância, seus sucessos e fracassos. Li toda a obra de Asimov, até mesmo os livros científicos e as antologias que organizou e isso marcou muito meu estilo pessoal, a diversidade de interesses, ainda o tenho como meu grande Mestre em Escrita por sua linguagem simples, em histórias complexas e bem amarradas, inclusive na questão da verossimilhança e lógica textual.

O nome Danny Marks, porém, é anterior a carreira de escritor. Aos treze anos me interessei por misticismo e cheguei a estudar e me iniciar em diversos estilos de magia, chegando a criar um grupo de estudos e desenvolver a Ciência Evolucionária, um ramo da magia tecnológica vinculado à psicobiofísica. Como na época era proibido usar nomes pessoais nos trabalhos, inscrevi minhas teses A Ciência Evolucionária, O Caos Contido e A Lei da Completude, com o pseudônimo, uma corruptela do termo “A marca de Daniel” ou Danny’s Mark, que virou Danny Marks. Eu já lia Asimov e muito do orgulho dele pelo trabalho que fazia me inspirou também rsrs.

Desde a infância sempre publiquei em pequena escala, ganhei prêmios literários menores e sem repercussão, mas só depois de adulto e próximo de aposentadoria que realmente me dediquei à carreira literária, até porque viver de escrita no Brasil é para poucos e é preciso pagar as contas.

 

 

Leia a entrevista completa em http://almanaqueliterario.com/danny-marks

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

October 18, 2019

September 26, 2019

September 22, 2019

September 18, 2019

September 13, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square